MEC garante igualdade de condições para a segunda aplicação da prova do Enem

As novas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a serem aplicadas a 639 alunos do colégio Christus, em Fortaleza, devem ter o mesmo nível de dificuldade da primeira versão, disse na tarde desta quinta-feira (27) o Ministério da Educação (MEC). A aplicação do teste será em 28 e 29 de novembro - mesmo período para os presídios, penitenciárias e unidades socioeducativas.
De acordo com o MEC, a metodologia utilizada no exame é a Teoria de Resposta ao Item (TRI) - usada para avaliar as habilidades de cada candidato - e não depende apenas do número de acertos e erros do estudante. "Desta forma os alunos não serão prejudicados ou beneficiados", afirma o MEC.

Os alunos do Colégio Christus serão submetidos novamente a todas as provas do Enem, inclusive a redação. Segundo a assessoria de imprensa do MEC, os exames já estão elaborados e o órgão, por medida de segurança, sempre prevê uma quantidade a mais no número de provas, que, neste caso, serão aplicadas aos alunos do Christus.
 
Até o momento não é possível afirmar se o colégio deve ter que arcar com os custos das provas dos alunos, pois esta é uma questão que depende, primeiramente, da investigação da Polícia Federal em apurar os responsáveis e as circunstâncias em que se deu a possível fraude no pré-teste aplicado no Christus. "Caso seja compravado o dolo, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) irá fazer o cálculo do valor e colégio terá que pagar pelas provas", afirma o MEC.
 
A Polícia Federal explica o prazo para a conclusão do inquérito é em torno de 30 dias, podendo ser prorrogado caso o delegado ache necessário. "Caso seja preciso mais tempo para investigar os fatos o Ministério Público é que decide o novo prazo, que, geralmente, é de 90 dias", explica a assessoria.
 
Colégio Christus irá recorrer 
O Colégio Christus divulgou uma nota de esclarecimento, na noite desta quarta-feira (26), afirmando considerar "ilegal e abusiva" a anulação da prova de 639 alunos no Enem. A nota, dirigida a "alunos e familiares", afirma que o colégio vai buscar a defesa dos direitos de seus alunos administrativa e judicialmente.
 
O Diário do Nordeste Online tentou falar com o advogado contratado pela escola, Cândido Albuquerque, mas ele estava em reunião e não podia ser interrompido, segundo sua assessoria.

Para OAB, MEC foi precipitado 
Para a Comissão de Educação e Cidadania da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), o cancelamento das provas dos 639 alunos do colégio Christus foi, no mínimo, precipitado e se configurou como um pré-julgamento.

0 comentários:

Postar um comentário